terça-feira, 21 de novembro de 2017

A difícil manutenção das estações de BRT



FOTO Ilustrativa acervo Blog e a infra estrutura  no entorno não existe
Levantamento do Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano aponta um custo de R$ 30 mil por mês em cada uma das estações do sistema


Cada uma das 39 estações dos dois corredores de BRT da Região Metropolitana do Recife teve um custo de R$ 2 milhões. O padrão usado no design com vidros espelhados e espaços climatizados é único nas capitais do país que optaram pelo sistema BRT. Apesar da beleza e imponência do modelo pernambucano, o problema é a manutenção. O custo médio mensal para garantir o funcionamento de cada uma delas é de R$ 30 mil. Isso inclui gastos com energia, substituição de vidros, manutenção de ar-condicionado, limpeza, vigilância, entre outros.
A substituição dos dois vidros da porta, por exemplo, custa R$ 1.680. Já os vidros laterais variam de R$ 600 a R$ 700. E não precisa circular muito para encontrar estações com os vidros danificados, tanto no Leste/Oeste, quanto no Norte/Sul. De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano, órgão que gerencia o sistema de transporte público, a vistoria nos vidros é realizada periodicamente e o processo de troca da vidraçaria leva em torno de 20 dias para ser concluído. Os serviços estão concentrados no Corredor Norte/Sul. Entre agosto e setembro foram realizadas manutenções de reposição de vidros nas estações Forte do Brum, Maurício de Nassau, Treze de Maio, Barreiras, Areinha, Guararapes e Derby. E até outubro estão previstas, no cronograma, ações nas estações São Francisco, Hospital Central, Aluísio Magalhães, Bultrins, Quartel, Cruz de Rebouças e José de Alencar.
Além dos vidros danificados, as coberturas das estações são vulneráveis à passagem de veículos com altura acima do limite permitido de 2,20 metros, na faixa que deveria ser apenas do ônibus do BRT. Mais da metade das estações já sofreu algum dano na cobertura. Na Avenida Cais do Apolo, a estação mais próxima da Prefeitura do Recife, uma alternativa foi mudar o desenho original da cobertura reduzindo o tamanho e eliminando as arestas laterais. De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano, a manutenção das cobertas das estações será realizada em um processo de licitação, ainda sem prazo definido.

fonte: DP caderno Mobilidade

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Agora você registra os assaltos pelo whatsapp direto com a policia

Governo lança WhatsApp para denúncias de assaltos a ônibus

Secretaria de Defesa Social (SDS) também divulgou redução no número de ocorrências de roubo em coletivos


Resultado de imagem para whatsapp web
A Secretaria de Defesa Social (SDS) divulgou, nesta segunda-feira (13), mais um recurso no combate aos assaltos a coletivos na Região Metropolitana do Recife (RMR). A partir deste mês de novembro, a Força-Tarefa Coletivos terá um número de WhatsApp para denúncias que levem à prisão de acusados de roubos a ônibus.
O telefone é o (81) 99488-7091. O número atenderá apenas mensagens pelo aplicativo, não estando disponível para ligações.

Também nesta segunda-feira, a SDS divulgou que a Força-Tarefa conseguiu reduzir em 41% a incidência de roubos a ônibus na RMR entre setembro e outubro deste ano. De acordo com a pasta, a FT Coletivos realiza um mapeamento de ocorrências e efetua repressão qualificada a esse tipo de crime. 
A estratégia contou com intensificação da Operação Transporte Seguro que, em outubro, realizou 6092 abordagens em coletivos. Além disso, há reuniões semanais das polícias, com o apoio do Grande Recife Consórcio de Transporte e as empresas de ônibus. De janeiro a outubro deste ano, foram efetuadas 272 prisões. 
Celulares - De acordo com a SDS, o número de celulares roubados em ônibus também diminuiu. Houve 360 ocorrências registradas em setembro deste ano, o que significa uma redução de 13,9% em relação ao mesmo período em 2016. Em outubro, a redução foi de 37,4%.


fonte: SDS

GNV TESTADO APROVADO MAS FRUSTRADO


Testamos, mas não teremos ônibus a gás na 

Região Metropolitana do Recife por enquanto

Veículo foi testado em 2016 e teve resultados excelentes, mas não há qualquer perspectiva de que seja incorporado ao sistema de transporte da RMR. Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem


Muita gente já deve ter esquecido, mas há pouco mais de um ano o Recife testou um ônibus a gás, o primeiro totalmente nacional, fabricado pela Scania, no sistema de transporte da Região Metropolitana. O teste aconteceu na linha Circular (Prefeitura/Cabugá), que faz integração na Estação Recife do metrô e é operada pela Empresa Metropolitana. Tecnicamente, o teste de 30 dias foi um sucesso.

Como será a questão de manutenção? Qual o custo para o abastecimento? Quem hoje fabrica em larga escala para que possamos fazer uma cotação? São algumas perguntas que ainda estão sem respostas. Por isso é importante que o modelo do ônibus a gás chegue como um projeto macro, nacional”,
André Melibeu, do GRCT

O ônibus a gás teve um desempenho excepcional e um custo operacional 28% menor do que um veículo semelhante a diesel. Todos ficaram satisfeitos: governo do Estado, que apresentou o teste com a expectativa de que o sistema pudesse, enfim, aderir à tecnologia sustentável; Scania, empenhada em comercializar o modelo; e Copergás, estimulada com a possibilidade de ser a fornecedora do gás para um projeto inovador.
Mas, apesar dos bons resultados, na prática o caminho é longo para viabilizar a ideia. São muitas incertezas sob o aspecto operacional, consideradas não só pelo Estado, mas pelos empresários, como os incentivos e a segurança operacional para aderir à tecnologia. Ou seja, em outras palavras: o ônibus a gás é maravilhoso, mas as chances de ele virar realidade em Pernambuco são poucas. Aliás, muito poucas.
O que falta é o amadurecimento do setor para incorporar a tecnologia do transporte sustentável, da preocupação com o meio ambiente e, ao mesmo tempo, ofertando mais conforto aos clientes. A tecnologia desenvolvida pela Scania evoluiu muito. Esse ônibus tem autonomia de 450 quilômetros e um abastecimento que, hoje, é feito entre quatro e seis minutos”,
Eduardo Monteiro, da Scania

E as razões são muitas. Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT), os ganhos são inquestionáveis, mas é preciso garantir que seja um modelo competitivo, que compense o investimento. Entre os questionamentos, estão dúvidas sobre incentivos fiscais e linhas de financiamento para compra dos veículos, por exemplo.

Confira o vídeo do teste realizado em 2016:
“Nós não temos como obrigar o setor empresarial a adquirir ônibus a gás e é preciso que exista uma segurança operacional para que o modelo seja adotado. Como será a questão de manutenção? Qual o custo para o abastecimento? Quem hoje fabrica em larga escala para que possamos fazer uma cotação? São algumas perguntas que ainda estão sem respostas. Por isso é importante que o modelo do ônibus a gás chegue como um projeto macro, nacional”, pondera André Melibeu, diretor de Operações do GRCT.
Outro obstáculo ao projeto é o valor do veículo, que custa 20% mais caro do que o a diesel – entre R$ 700 mil e R$ 800 mil. Os fabricantes, entretanto, garantem que o investimento é compensado entre dois e três anos de uso. “O custo é maior por causa do cilindro de gás, que precisa ser de aço. Alguns, de fibra de carbono, enquanto que o ônibus a diesel tem cilindro de plástico. Mas o retorno do investimento é certo com o projeto do ônibus a gás. O que falta é o amadurecimento do setor para incorporar a tecnologia do transporte sustentável, da preocupação com o meio ambiente e, ao mesmo tempo, ofertando mais conforto aos clientes. A tecnologia desenvolvida pela Scania evoluiu muito. Esse ônibus tem autonomia de 450 quilômetros e um abastecimento que, hoje, é feito entre quatro e seis minutos”, pondera Eduardo Monteiro, da Scania, fazendo referência ao trauma criado no setor devido à péssima experiência vivida no passado com o ônibus a gás.

A rede de abastecimento também é outro ponto questionado, mas durante os testes de 2016 o então presidente da Copergás, Décio Padilha, explicou que a realidade da distribuição de gás no Estado estava bem diferente do passado. “Hoje, o setor de gás cresceu 11%. Nós temos 700 quilômetros de rede de distribuição, com 70 postos para garantir o abastecimento. E, nesse projeto, nossa intenção é instalar uma estação de abastecimento na garagem da empresa que vai operar o veículo”, disse à época.
Procurada, a Copergás – já com outro presidente – se posicionou apenas por nota, afirmando que “Em 2016, a Copergás incentivou os testes de ônibus movidos a gás natural veicular e está apta para ofertar o combustível às garagens das operadoras demandantes. O fornecimento de GNV se dará a partir de decisões entre o Consórcio Grande Recife e empresas privadas. O GNV é definitivamente o combustível mais limpo, seguro e econômico. Atualmente, Pernambuco possui uma frota de 47 mil veículos e 70 postos que comercializam o gás veicular”.
O ônibus a gás, entretanto, funciona. Os testes confirmaram que é um veículo extremamente confortável para os passageiros e operadores, sem ruído e com um alto nível de sustentabilidade ambiental. Rodou quase três mil quilômetros entre outubro e novembro de 2016. A capital pernambucana foi a primeira cidade do Nordeste a receber o ônibus a gás natural da Scania. O veículo, que também é movido a biometano, já foi testado em cidades de São Paulo, Paraná e Santa Catarina, com bons resultados. Em comparação com um veículo similar a diesel, emitiu 85% menos gases poluentes, quando abastecido com biometano, e 70%, no teste com GNV.
Nos primeiros testes, no entanto, a operação foi realizada sem passageiros, com o veículo apenas fazendo o itinerário da linha operada pelo ônibus similar a diesel. No Recife é que aconteceu o segundo teste transportando usuários – a primeira cidade foi Sorocaba (SP), onde o desempenho também foi positivo, com um custo operacional 28% menor.



Veja também



sábado, 11 de novembro de 2017

Assaltos a ônibus banalidade e descaso do Governo Paulo Câmara

Mês de novembro já contabiliza 86 assaltos a ônibus

Nas últimas 24 horas foram registrados sete assaltos a ônibus na Região Metropolitana do Recife
Publicado  por Jaílson Silva em 
Rádio Jornal

Foto: Acervo/ JC Imagem
Em 24 horas, Pernambuco teve o registro de sete assaltos a ônibus. No mês de novembro, já são 86 casos e no acumulado do ano de 2017 são 3.353. Os casos aconteceram em Abreu e Lima, no Recife e em Olinda.
Os números de assaltos a ônibus são apurados pela editoria de polícia da Rádio Jornal com apoio do Sindicato dos Rodoviários. 

editado por : Jaílson Silva

O tempo dos Faroestes volta ao Recife e região Metropolitana e assaltos a moda antiga

Dupla assalta ônibus em Olinda utilizando chicote de cavalo

O assalto a ônibus aconteceu na linha TI Xambá/ Príncipe, na altura da Av. Presidente Kennedy, em Olinda
Publicado por Jaílson Silva 09/11/17
Rádio Jornal


Foto: Reprodução/ Internet

Nas últimas 24 horas, Pernambuco registrou 13 assaltos a ônibus. Só no mês de novembro foram 79 casos enquanto que no ano já há uma acumulado de 3.346.
Os casos se concentraram na Região Metropolitana do Recife, nas cidades do Recife, Paulista, Abreu e Lima, Olinda, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, Paudalho, na Zona da Mata Norte.

Em uma das abordagens, na Avenida Presidente Kennedy, em Peixinhos, Olinda, um fato inusitado chamou a atenção. O assaltante utilizou um chicote para levar os pertences das vítimas. O ônibus da empresa Caxangá fazia a linha TI Xambá/ Príncipe foi alvo de dois assaltantes e um deles estava com um chicote utilizado em cavalos. A dupla fugiu.

Edição : Jaílson Silva

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Linhas de ônibus do Grande Recife têm reforço para segundo dia do Enem



Ao todo, 23 linhas terão aumento no número de veículos e no número de viagens para facilitar o acesso dos candidatos aos locais de prova.


Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, também serão ativadas três linhas que geralmente não operam aos domingos (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)
Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, também serão ativadas três linhas que geralmente não operam aos domingos (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

Devido à realização do segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no domingo (12), o Grande Recife Consórcio de Transporte anunciou um reforço na frota e nas viagens de 20 linhas de ônibus que circulam no Recife e na Região Metropolitana. Segundo o órgão, também serão ativadas três linhas que geralmente não operam aos domingos. Os portões dos locais de prova serão fechados às 12h (13h no horário de Brasília).
Ainda de acordo com o Consórcio, a medida busca viabilizar o deslocamento dos estudantes que usam o transporte público até os locais de prova. Para as provas, serão reativadas, excepcionalmente neste domingo, as linhas 116 – Circular (Príncipe), 424 – CDU/Torrões (San Martin) e 2431 – Cidade Universitária.
No segundo dia do exame, serão aplicadas as provas de Matemática (45 questões) e Ciências da natureza (45 questões). As provas têm duração de 4h30. A partir das 14h30, o aluno pode sair da prova sem o caderno de questões e, a partir das 16h30, ele pode sair com o caderno de questões. O fim das provas ocorre às 17h.
De acordo com a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), o efetivo de agentes de trânsito vai ser reforçado nas ruas da capital, para monitorar o tráfego de veículos em localidades estratégicas e fazer rondas nas vias próximas a grandes polos de realização das provas.
Em caso de dúvidas, os usuários do transporte público podem entrar em contato através da Central de Atendimento ao Cliente, no número 0800.081.0158, cuja ligação é gratuita, ou através do WhatsApp (81) 9 9488.3999.

Confira as linhas que terão aumento no número de ônibus e viagens

  • 020 – Candeias/TI Tancredo Neves;
  • 061 – Piedade;
  • 168 – TI Tancredo Neves (Cde. da Boa Vista);
  • 181 – Cabo (Cohab)/TI Cajueiro Seco;
  • 202 – Barro/Macaxeira (Várzea);
  • 346 – TI TIP (Cde. da Boa Vista);
  • 521 – Alto Santa Isabel;
  • 522 – Dois Irmãos/Rui Barbosa;
  • 640 – Guabiraba (Córrego do Jenipapo);
  • 731 – Beberibe;
  • 860 – TI Xambá (Príncipe);
  • 1946 – TI Igarassu (PCR) – BRT;
  • 1976 – TI Pelópidas (PCR) – BRT;
  • 1977 – TI Pelópidas (Cde. Boa Vista);
  • 2040 – CDU/ Boa Viagem/Caxangá;
  • 2432 – CDU (Várzea);
  • 2450 – TI Camaragibe (Cde. da Boa Vista);
  • 2460 – TI Camaragibe (Príncipe);
  • 2490 – TI Camaragibe/TI Macaxeira;
  • 2920 – Rio Doce/CDU
  • fonte: G1 / GRCT

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Calor e Calor esta é a situação nos coletivos do Recife e Região Metropolitana e interior do estado



CADÊ O AR-CONDICIONADO? 

Se você usa ônibus do sistema do SEI nas cores Azul ( Radial) Vermelho ( Perimetral) Verde ( Interminal ), saiba que estas linhas do sistema  SEI, devem ter ar-condicionado.

 Está na Lei Nº 15.293 aprovada em 2014 (veja aqui: http://bit.ly/2iF9lwp).

É obrigatória a instalação de ar-condicionado nas linhas Radiais (ônibus azul), Perimetrais (ônibus vermelho) e Inter terminais (ônibus verdes).

Mais de 3 anos se passaram desde que a Lei entrou em vigor, e até hoje as empresas não adquiriu ônibus com ar-condicionado, para estas  linhas especificais acima citadas.
 O governo finge que não vê e assim descumpre a lei em vigor desde 2014.
 O Grande Recife Consórcio de Transporte faz de conta que não sabe, e não faz seu papel de fiscalizar , exigir a aplicação da lei e de punir as suas permicionárias. As empresas ignoram e finge não conhecer da lei  em vigor e você usuário paga caro, para andar dentro de um ônibus lotado, inseguro e calorento ( põe calor) que só a bexiga. É tudo organizadinho com aval da Urbana Pe, para lhe prejudicar e favorecer os empresários.

No Mês passado o Edilson Deputado Estadual, fez um Requerimento para que a Agência Reguladora (Arpe) e o Grande Recife Consórcio de Transporte apresentem o relatório e o cronograma de implementação da Lei que obriga a colocação de ar-condicionado nas linhas Radiais, Perimetrais e Inter terminais (leia o requerimento aqui: http://bit.ly/2iHn9qa). O prazo de resposta é até o dia 20 de novembro.

O Blog Grande Recife Mobilidade Pe, tem a obrigação com os seus leitores e assim, continua-mos pegando no pé do governo para exigir soluções, para um transporte de qualidade. É obrigação do Governo Paulo Câmara e do Grande Recife Consorcio aplicar a Lei e fiscalizar energicamente o seu cumprimento.
É obrigação da URBANA PE  e das empresas em cumprir a Lei.
É dever nosso como cidadão em cobrar e é tarefa sua fortalecer essa cobrança.



#CADÊoARCONDICIONADO?

Compartilhe com seus amigos e exija seus direitos!
fonte: Edílson Dep Estadual
texto editado : Jaílson Silva


Protocolo de Montreal foi implementado há 30 anos para eliminar as substâncias poluidoras da camada de ozônio. Veículo número 32 leva aos passageiros informações sobre as ações ambientais realizadas

Metrô do Recife tem vagão adesivado sobre Protocolo de Montreal (Foto: Divulgação/CBTU)
Metrô do Recife tem vagão adesivado sobre Protocolo de Montreal (Foto: Divulgação/CBTU

Celebrando os 30 anos de implementação do Protocolo de Montreal, que visa proteger a camada de ozônio, uma ação vem chamando a atenção no Metrô do Recife. Com um dos vagões de trem adesivados, o veículo número 32 leva aos passageiros informações sobre as ações realizadas para eliminar as substâncias poluidoras. Ao todo, cerca de 400 mil pessoas circulam pelas linhas Sul e Centro do sistema ferroviário do Recife.
Além do Recife, também foi adesivado um trem em cada sistema de metrô em oito cidades de quatro regiões do país: Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Salvador (BA), Maceió (AL), João Pessoa (PB) e Natal (RN). A Campanha visa atingir um público de cerca de 4,2 milhões de pessoas por dia.
A iniciativa faz parte de uma campanha comemorativa, que também contempla a instalação de painéis com a linha do tempo das principais ações do Protocolo de Montreal no Brasil nas estações Recife e Barro.
Em três décadas de implementação, os países participantes do protocolo eliminaram totalmente o consumo e produção dos clorofluorcarbonos (CFCs), halons, brometo de metila para fins agrícolas, CTC e, atualmente, estão em fase de eliminação dos hidroclorofluorcarnobos (HCFCs), substâncias conhecidas por destruir a camada de ozônio.
fonte: CBTU RECIFE

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Governo tem descaso com o alto imposto que se paga de Ipva e não é empregado nas rodovias

Rodovias estaduais de PE têm 94,1% da extensão consideradas regulares, ruins ou péssimas, diz CNT

No aspecto geral, em que estão incluídas as rodovias federais no estado, 56,1% do total da extensão é classificado da mesma forma. Pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes foi divulgada nesta terça (7).

Ônibus circula por trecho repleto de buracos na PE-15, em Olinda (Foto: Maurício Melo/TV Globo)
Ônibus circula por trecho repleto de buracos na PE-15, em Olinda (Foto: Maurício Melo/TV Globo)

s rodovias estaduais de Pernambuco têm deixado a desejar no quesito qualidade. De acordo com uma pesquisa divulgada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) nesta terça-feira (7), 94,1% das rodovias sob jurisdição do estado foram classificadas como regulares, ruins ou péssimas, em comparação com a extensão federal. O percentual representa 950 dos 1.009 quilômetros de extensão sob jurisdição estadual.
Para a realização do levantamento, feito nacionalmente, foram levados em consideração aspectos como sinalização, pavimento e geometria das rodovias. No que diz respeito à sinalização, as rodovias estaduais de Pernambuco têm 95,1% da extensão classificadas como regulares, ruins ou péssimas.
Veja a classificação das rodovias estaduais em PE em 2017
Pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes leva em conta sinalização, pavimento e geometria das vias
Péssimo: 45,5 %Ruim: 35,6 %Regular: 13 %Bom: 2,7 %Ótimo: 3,2 %
Fonte: CNT
Quanto ao pavimento, a pesquisa registra que 54,6% da extensão de rodovias estaduais são regulares, enquanto 30,9% são ruins e 3,9% são péssimas. As rodovias estaduais de Pernambuco também têm 65,1% da sinalização consideradas péssimas, 17,4% classificadas como ruins e outros 12,6% tidas como regulares.
“Péssimo” é o adjetivo adotado para qualificar 59,6% da extensão no que diz respeito à geometria das rodovias estaduais de Pernambuco, critério que leva em consideração a condição de curvas, pontes, viadutos e do acostamento das rodovias. Outros 20,9% das rodovias estaduais receberam a classificação ‘ruim’, enquanto 12,1% da extensão foram tidas como regulares nesse segmento.
A PE-15, rodovia que corta a área norte da Região Metropolitana do Recife, é um exemplo dos percentuais de insatisfação mostrados pela pesquisa. A via é utilizada por muitas pessoas que saem de cidades como Abreu e Lima e Paulista com destino ao Recife, mas é do trecho em Olinda que os motoristas e pedestres mais se queixam.
G1 entrou em contato com o Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER-PE) e aguarda retorno sobre as classificações da pesquisa. A reportagem também espera resposta sobre o total de investimentos feitos em 2017 pelo órgão para requalificar as rodovias estaduais.

Desempenho geral

Veja a classificação das rodovias de PE em 2017
Pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes leva em conta sinalização, pavimento e geometria das vias
Péssimo: 15,6 %Ruim: 15,8 %Regular: 24,7 %Bom: 37,4 %Ótimo: 6,5 %
Fonte: CNT
As rodovias federais em Pernambuco, no entanto, possibilitam um equilíbrio na avaliação de uma forma geral do total de rodovias no estado, já que 61,7% receberam a classificação “ótima” ou “boa”. Com esse resultado, o quesito “bom” predomina na avaliação das rodovias em Pernambuco, pois 37,4% da extensão delas foram classificadas dessa forma.
No entanto, 56,1% do total são consideradas regulares, ruins ou péssimas. Esse percentual é menor do que o registrado em 2016, quando 57,9% das rodovias estaduais e federais tiveram essa mesma classificação. Em 2015, esse levantamento da CNT identificou 53,1% das rodovias nessa situação.
fonte : G1 / DNIT